24 de fev de 2008

Cuidando da saúde

Esta semana, fui fazer avaliações rotineiras e outras não tão rotineiras, também.
Há algum tempo, estava sentindo algo como uma bola na garganta, e já tinha ido a um otorrinolaringologista, mas sem sucesso. Ele diagnosticou que a minha garganta estava seca e falou para eu fazer gargarejo, não ingerir muita gordura e nem doces, e (pasmem) "caminhar" 45 minutos por dia! Bem, sobre a alimentação, nem preciso falar, pois desde que eu comecei a fazer controle alimentar com a nutricionista, há 4 anos, eu tenho feito exatamente isto que ele recomendou fazer, ainda com algumas alterações nos dias em que treino.
E sobre andar 45 minutos, eu disse a ele que eu corria, embora eu não tenha físico de corredora (rsrsrs). Então, resolvi procurar outro médico. A sorte foi perguntar sobre um bom médico para uma pessoa que tinha acabado de fazer uma cirurgia de cavidade nasal: o meu amigo Valter Ide, que está me dando algumas dicas sobre maratonas. Aliás, forneceu-me vários materias sobre isto, além das imprescindíveis dicas de "bastidores" como concentração, café da manhã, dia seguinte, etc. Eu devo dizer que, para quem não sabia nada sobre maratonas, estas dicas estão sendo fundamentais. Tenho muito a agradecer ao Valter.
Voltando ao assunto "bola na garganta", o médico que operou o Valter diagnosticou o seguinte: a minha cavidade nasal está um pouco estreita devido a um desvio, zumbido no ouvido esquerdo talvez causado por acúmulo de catarro na parte interna dele, que vem da parte interna esquerda do nariz, e a sensação de bola na garganta é, provavelmente por causa da respiração pela boca. Isto faz com que o ar aspirado sem aquecimento e umidificação devida (quando a gente inspira pelo nariz, o ar é aquecido e umedecido pelo nariz) irrite a garganta e provoque lesões e nódulos na garganta. A solução é uma cirurgia a laser, mas sem muitas complicações, pois segundo ele, se a gente se submete a uma cirurgia destas numa sexta-feira, na segunda-feira, já podemos trabalhar. Bem, espero que seja assim mesmo. E se isto for resolver o problema, não há nada melhor que operar rapidamente, não é mesmo? Não tenho com o que me preocupar. Saúde em primeiro lugar.
Um outro lugar que fui esta semana, foi à nutricionista. Bem, ela tem acompanhado a minha alimentação desde que resolvi emagrecer e adquirir mais qualidade de vida. Depois de perder o útero, os hormônios ficam realmente sem balanço, então, é mais uma razão para ter atenção redobrada. Mas, pelo jeito, tenho feito tudo direitinho: como quando dá fome, antes e depois do treino, procuro não ingerir muito doce, mas como frutas (umas duas ou três por dia)... porém, como o meu treino tem aumentado de distância, ela sugeriu aumentar também a quantidade de comida. Isto não quer dizer "comer qualquer porcaria, porque não engordo e então tudo bem".
Deste jeito, além de prejudicar o treino, meu corpo também vai ficar "acabado". Ela estava contando de uma paciente que corria ultramaratonas. Ela disse que não a encontrava fazia cinco anos. E por coincidência, num dia em que ela estava no Parque do Ibirapuera caminhando com seu cachorro, esta paciente estava lá também, com o seu cachorro. E ela levou um susto quando a avistou, pois, apesar de tê-la reconhecido, percebeu que o cabelo dela estava com raízes brancas , que a pele dela estava ressecada, sem brilho e com algumas rugas (que não deveriam estar lá), enfim, tudo indicava que os treinos talvez estivessem indo bem, mas a alimentação... acho que não estava acompanhando... Fiquei pensando naquelas pessoas que simplesmente querem emagrecer e não tomam cuidado com a dimuinuição da quantidade de alimentos, e nem com a qualidade deles. Acabam ficando fracas, muitas vezes, quando emagrecem, ficam enrugadas, sem falar na baixa-imunidade. Digo isto, pois já perdi um tio que tinha 29 anos e queria emagrecer a todo custo. Eu era adolescente e fiquei realmente chocada. Ele não almoçava mais, comia aqueles biscoitos água e sal... Num belo dia, ele ficou gripado, isto virou pneumonia, foi carregado para o hospital, onde veio a falecer. Hoje, eu vejo que não devemos ficar esperando por fórmulas mágicas para emagrecer, nem comer ou deixar de comer coisas para ter tal efeito. Devemos sempre dosar tanto a quantidade quanto a qualidade do que comemos. Como diz o sr. Mário que corre conosco: nós somos o que comemos! E eu brinco com ele: eu como comida japonesa, é por isso que tenho olhos puxados! Kkk.

2 comentários:

  1. hahaha Muito boa essa de somos o que comemos!!!
    Mayumi, desejo melhoras a você. Não sei se já fez ou vai fazer a cirurgia mas espero que dê tudo certo e volte a trabalhar tranquilamente.
    Bjs
    Thiago

    ResponderExcluir