25 de mai de 2008

Amigos blogueiros na corrida!


Boa noite, pessoal! ... boa noite? ... será que tem alguém acordado ainda? É, hoje também foi um dia cheio! Cheio de novidades! A começar pela quilometragem da corrida: 25 km. Confesso que nunca corri esta distância, portanto, hoje foi a minha estréia nos 25 km. E como sempre, eu fui no meu rítmo, que é devagar e sempre.
Chegando na USP, encontrei o meu "vizinho", Diego Ciarrocchi, e passei pela tenda da Playteam, onde encontrei o Guilherme Maio, o Rodrigo Tandaya, o Lemes, a Erica, o Walmir Gaya, que depois veio a correr alguns trechos comigo na prova. Na ida para a largada, encontrei o Rui Carlos, o pai perdido (quem leu o relato do pai perdido aqui no blog?).
Na largada, encontrei o Paulo Romani que estava em companhia de mais 3 amigos. Dada a largada, uns partiram para os 12, 5km (prova em duplas) e outros para os 25 km, que hoje eram duas voltas de 12,5 km. O Paulo Romani estava comentando comigo que não gostava de correr dando duas voltas iguais em um mesmo lugar, pois na segunda volta, a sensação de que ele já passara por aquele lugar prejudicaria o seu lado psicológico. Fiquei pensando por alguns minutos e cheguei à seguinte conclusão: quando a pessoa tem um senso de direção muito bom, ela realmente vai ficar entediada de passar pelo mesmo lugar por duas vezes. Eu, como não tenho senso de direção muito aguçado, posso passar várias vezes pelo mesmo lugar pois nas voltas seguintes, eu vou ficar com uma "leve sensação de que eu já passei por lá"! É por isso que não me importo de dar 5 voltas no Parque do Ibirapuera, por dentro. Até prefiro, pois se eu sair do parque, é capaz de me perder!
Falando sobre a corrida de hoje, estava eu, no meu rítmo tranqüilo, quando o Walmir veio por trás e me alcançou. Eu disse para ele ir no rítmo dele, pois eu iria devagar. Porém, ele me disse que hoje, ele não estava bem, pois tinha pegado uma gripe e não tinha treinado na semana passada. Ele me acompanhou por um bom tempo, mas perdi-o de vista na segunda volta. Encontramos com a Drica da Playteam, que passou por nós no km 7 dizendo que hoje ela não estava tão bem. Se aquilo é não estar bem, como será que eu estava, não? Rsrs. No final da primeira volta, conseguimos alcançar o Paulo Romani, que estava bem à frente depois do início da corrida. E o Walmir disse: "Ô, Paulo, você está voando baixo, hoje, hein?" E o Paulo disse: "Que nada, hoje, estou mal!" E assim, ficamos acompanhando ele até o final da primeira volta, pois ele ia fazer uma volta só. Ainda, na primeira volta, tive a oportunidade de conhecer pessoalmente a dona Tomiko, ultramaratonista, que estava acompanhando uma amiga. Ah, e o palhaço estava lá de novo! Hoje, eu consegui trocar uma palavrinhas com ele: "E aí, palhaço, qual é o seu nome?" E ele disse: "Eu me chamo Medeiros, mas tem gente que me chama de Melancia, de palhaço, de um monte de coisas! A minha alegria, desde 2004 é esta! Eu moro no Jabaquara, o meu tel. é 5xxx-xxx0. Repete comigo! A Globo gosta de mim!..." É, além de correr, conversa, toca a buzina e corre com aquele nariz vermelho! Como consegue?
No km 10, meu marido estava lá, para tirar uma foto! Hoje, ele deve ter caminhado um bocado dentro do campus!
Encontrei também o Valter Ide, que no comecinho da corrida disse: "Olha o rítmo! Está muito bom! Abaixo de 5:50!" Pois é, mas isto não ia muito longe. Eu disse: "Ah, pode ir, pois eu vou devagar!" E lá se foi ele, mas por diversas vezes, do outro lado da pista, ele gritava o meu nome e me incentivava. Mas alcançá-lo, nunca iria conseguir, nem sonhando!
Na segunda volta, tive várias surpresas. No final da Avenida Politécnica, um rapaz trabalhando na organização disse: "Olha, não adianta correr disfarçada, pois eu sei que você é da Playteam!". Levei um susto, pois hoje, realmente não estava vestindo a camiseta da Playteam, mas estava de laranja. Eu fiquei fitando o rapaz e vi que era o Márcio da Playteam. Ele estava trabalhando hoje. Depois, encontrei-me com a dona Neide Satoru, que em 2006, foi a minha parceira em uma prova de 6 km em duplas. Estava eu à procura de uma pessoa que corresse no mesmo rítmo e ela prontamente me respondeu pelo site da Corpore. Fui conhecê-la naquela prova, onde ela fez exatamente o mesmo tempo que eu, sem nem termos corrido lado a lado! E depois desta data, sempre a encontro em provas e trocamos algumas palavras. E hoje, ela também disse que não estava bem.
Entre o km 21 e o 22, perto da Praça da Reitoria, tinha uma "animadora" dizendo: "Vai, falta pouco!". E tinha um rapaz oriental bem à minha frente, e parece que ela pensou que ele fosse meu marido, pois ela disse: "Vai, continua, mas espera por ela!" e apontou para mim! Eu emparelhei-me ao rapaz e até comentei: "Hahaha, ela vê dois parecidos (orientais) e pensa que é um par!" E ele disse: "É, o pessoal é engraçado. Mas, cara, nunca corri aqui neste percurso! Você conhece bem este local?" Ah, logo para quem ele vai perguntar! Eu passei "trocentas vezes" por lá em treinos, mas até hoje me perco! Kkk. E o pior é que eu estudei e depois, trabalhei por um tempo lá! Kkk. Eu perguntei onde ele treinava e ele respondeu que era do Rio de Janeiro. Foi quando eu comentei que escrevia um blog e que havia conhecido alguns conterrâneos dele, virtualmente. Ele perguntou o nome do blog e assim, fiquei sabendo que ele o conhecia e que o nome dele era "Leo Hacidume". E assim, tive a companhia do Leo desde o km 21,5 aproximadamente, até o final da prova. Neste meio, ele até disse que era para eu "ir no meu rítmo", pois ele estava mal hoje. E eu respondi que "aquele era o meu rítmo normal"! Rsrsrs. Depois de ouvir tanta gente dizendo que estava mal e me acompanhando, eu fiquei pensando: "o meu rítmo é o rítmo das pessoas quando elas estão mal!" Kkk. Mas, eu estava ótima hoje! E quero dizer a vocês que cheguei bem ao final da prova, sem dores, sem forçar, e principalmente, na companhia de um colega corredor que só conhecia de nome. Na chegada, tive o prazer de encontrar o Wladimir, o seu tio que o acompanhava e tirou algumas fotos nossas, e o Fábio Namiuti. Uma pena que tive que sair correndo de lá (tinha uma festa no horário do almoço) e não pude me encontrar com o Régis. Fica para a próxima!
E, como sempre, meu marido estava lá na chegada, tirando fotos. O comentário dele: "Poxa, você demorou tanto que pensei que o ônibus (que recolhe os atletas que não estão em condições de terminar a prova) tinha pegado você!" Realmente, hoje, pensei que o ônibus estava bem atrás de mim, pois tinha muito pouca gente nos 25 km, mas felizmente, teve gente me acompanhando! Valeu, pessoal! Até a próxima!

18 de mai de 2008

Fim de semana agitado!

Oi! Como foram de fim de semana? Eu fiz um bocado de coisas relacionadas à corrida no sábado e no domingo!
No sábado de manhã cedinho, antes do treino, às 7:00h, eu faço aulas de ábaco (soroban)! O soroban é um instrumento japonês para fazer contas. E por que estou fazendo isto se a minha área é ensino de língua japonesa, não é mesmo? É para não "caducar"! Kkk. Sério mesmo! Recomendam os médicos que façamos sempre algo que não estamos acostumados a fazer para não ficar esclerosado!
Após a aula de soroban, fui para o treino técnico com o Arthur. Não sei por quê, agora ele marca os treinos na USP. Acho que é para estimular a nossa memória! Rsrsrs. Não vamos ficar na mesmice, né? Estava lá, toda descoordenada fazendo os exercícios educativos, quando passa o MM da Playteam correndo e me cumprimenta: "Oi, Mayumi". Ai, que vergonha, eu dando os meus pulinhos descompassados e ele me viu!
Depois de terminado o treino, tinha marcado com um rapaz que está fazendo testes de pisada em terrenos variados, para coletar dados para a sua dissertação de mestrado. Fiquei sabendo do teste através do site da Playteam. Ele é bem completo mesmo! Fiquei cerca de 50 minutos realizando-o e ainda não terminou: falta fazer o teste na pista de atletismo! Vou amanhã à noite fazê-lo para completar, lá na pista do Ginásio do Ibirapuera. Neste teste, colocaram um tipo de uma mochila que contém um aparelho que se liga aos chips colocados nas palmilhas, as quais ficam ligadas através de um fiozinho posicionado nas canelas. Como o resultado tem que sair satisfatório, me fizeram correr uma distância de 40 metros por umas 10 vezes, pois parece que o chip não estava detectando o resultado corretamente. E quando detectava, ás vezes estava correndo numa velocidade superior à desejada, então tinha que repetir o trecho. Fizemos isto no asfalto, no paralelepípedo e na grama. Depois, me fizeram subir numa mesinha de vidro, colocaram uns adesivos nas batatas da perna e tiraram fotos da planta dos pés e das batatas... quase fritas de tanto correr! Pediram também para eu deitar numa toalha e ficaram medindo os pés, as pernas, vendo os ângulos, a curvatura das pernas e dos pés. Finalmente, tiraram um tipo de "impressão digital" dos pés, num pedaço de cartolina. Ufa!
Saí correndo de lá para almoçar e tomar banho, pois à tarde, tinha conseguido um convite para participar de um bate-papo com o maratonista José Telles, que conseguiu uma vaga para a participação nas Olimpíadas de Pequim, seu treinador Renato Dutra e o fisioterapeuta David Homsi. Sabem quem eu encontrei lá e quase não reconheci? Este rapaz aqui:

Quem o conhece pessoalmente, depois de pensar um pouco, vai reconhecê-lo: o Nadais! É que sempre nos encontramos nas corridas, mas ontem, ele veio diretamente do trabalho, e portanto, "chique no urtimo"!
Sobre o conteúdo do bate-papo, muito interessante por sinal, eu proponho à vocês que dêem uma olhadinha no blog do Nadais, pois ele prometeu colocar o assunto com detalhes, ok?
Mas adiantando um pouquinho, dentre muitas coisas que foram discutidas, uma me chamou atenção especial: "Não tem um biotipo certo para ser maratonista, do ponto de vista da estatura, do peso e da massa corporal da pessoa. Porém, há um biotipo certo para ser maratonista do ponto de vista do fôlego, da velocidade, coisas que nem todo mundo consegue somente com treinamento.
E no final do bate-papo, ficamos cercando o José Telles para uma foto. Caipira é fogo, não é, Nadais? Rsrs. E lá fomos nós para a foto.

Finda a palestra, fui fazer compras de supermercado (eu também sou dona-de-casa!) e preparar a malinha para poder sair bem cedo de casa, pois eu tinha me inscrito para a corrida de 10 km da Tribuna de Santos. E de quebra, inscrevi o meu marido, e a minha cunhada que mora em Santos, para a caminhada. Era a primeira caminhada de 10 km que eles faziam! Sei que chegamos lá em Santos por volta das 8 horas e esperamos a minha cunhada chegar com os kits. Fomos para a largada e encontrei muitos amigos da Playteam. No início, por causa do número grande de participantes, tive que trotar, mas aos poucos, foi se abrindo espaço. Avistei um rapaz que tinha um papel colado atrás dele que dizia: "tempo pretendido: 55 minutos". Fiquei um bom tempo atrás dele, seguindo-o, mas depois, perdi-o de vista. Daí, encontrei uma "Chapeuzinho Vermelho", olhando para trás e trotando. Eu disse: "Vamos, o que você está esperando!" Ela me respondeu: "Estou esperando o Lobo Mau! Combinamos de chegar juntos lá no final!". E eu argumentei: "Olha, se você ficar esperando ele, é capaz de você ser devorada antes da chegada! " Kkkk. Na chegada, fiquei esperando o meu marido e a minha cunhada. O meu marido apareceu primeiro. Daí perguntei da minha cunhada, e ele respondeu: "Eu me perdi dela, acho que ela desistiu, hein. Ela deve ter voltado de táxi.". Eu resolvi telefonar para o celular dela e ela disse que estava entregando o chip naquela hora. Viu só? Não se pode julgar as pessoas antecipadamente! Rsrs. E pelo jeito, ela gostou da experiência, pois já estava fazendo planos para a próxima caminhada! É isto aí! Sem sedentarismo! Olhem as fotos:

Após um bom banho e almoço, fomos tomar um cafezinho no Museu do Café, no Centro, antes de embarcar rumo à São Paulo novamente. Olha, o Café do Museu é um lugar que eu recomendo a vocês para tomarem um bom café e um delicioso sorvete diet de café! Esplêndido! Se vocês quiserem informações sobre os efeitos da cafeína nas corridas, vejam o blog do Valter Ide , pois ele escreveu sobre o assunto bem detalhadamente!
E assim, foi-se um fim de semana! Amanhã, estaremos de volta ao batente! Nesta semana, teremos um feriado mas vamos trabalhar neste dia. Eu adoro o meu trabalho!
Vamos lá! Vamos acelerar! Acelera!!! Uma ótima semana para vocês!

11 de mai de 2008

Sintonizando o rádio

Primeiramente, feliz Dia das Mães a todas as mães!
Hoje, pela manhã, como disse a vocês, tinha uma corrida na região do Ibirapuera, e fui participar por uma questão de honra! A corrida era da Graacc, uma instituição de apoio às crianças com câncer. Tive câncer de útero há 4 anos, e hoje, estou muito bem, Graças a Ele e aos médicos que cuidaram do caso: dr. Jesus, principalmente. Não, não. Não é o Filho do Todo Poderoso, mas um dos mais poderosos da Terra, que me curou: dr. Jesus Paula Carvalho! E quem diagnosticou o problema foi a dra. Ana Maria Kondo. Graças ao empenho destes incansáveis profissionais, estou muito bem hoje!
Passei pela tenda da Playteam e encontrei alguns amigos: Flávio Hernandes, Rodrigo Tandaya, Guilherme Maio, Juvenal, Ricardo e a mãe dele (dona Mafalda)... Antes de sair da tenda, tirei algumas fotos, as quais coloco aqui ao lado esquerdo do blog. E ainda levei uma advertência do nosso colega Guilherme Maio: não vai me ultrapassar, hein? Rsrsrs. Ele se diz um corredor lento e insistente, mas eu sou mais lenta e mais insistente ainda! Olha, Guilherme, nem sonhando consigo te ultrapassar! Livre-se deste pesadelo! Kkk.
Depois fui fazer alongamento com o pessoal da academia: Arthur, Juliana, Mário, Rita, Vera, Alberto, Márcia, Kiko, Eliana, Fernando e Luís.
Estava caminhando em direção à largada quando alguém me chamou: "Mayumi! Sou a Juliana, filha do Rui!". Ô, Juliana, eu me lembro de você, não precisava dizer quem você é! Rsrs.
Hoje, me posicionei lá atrás, na marca dos 6 minutos por quilômetro, dando uma de "bem honesta", pois o meu rítmo é este mesmo. Porém, peguei muitas pessoas andando e, pela primeira vez, consegui ultrapassar muita gente! Rsrsrs. Enquanto eu ultrapassava, eu ouvia conversas truncadas, como se estivesse mudando a sintonia do rádio, até achar uma estação que gostaria de ouvir... mas desta vez, fiquei "mudando de estação" por uma hora! No início, encontrei o palhaço novamente, com sua buzina inconfundível e a bundinha de bexiga balançando: Olha, nenhum homem pode tocar na minha bunda, estou aqui com os meus guarda-costas! E um dos "guarda-costas" dele dizendo: Ele tomou a penicilina errada e ficou com a bunda assim! Kkk. Eu fui indo para frente, alguns me ultrapassaram (lógico, isto não é nenhuma novidade) e fui ouvindo partes de conversas: ... O fulano está contundido, acho que está fazendo fisio e vai ter que começar do zero de novo... Ô, meu, tomei um gel agora há pouco, será que isto faz bem?... Banana prende, maçã prende... Você acha que mamão ajuda?... Mamão? Mamão não prende, você pode comer ameixa seca... Olha a água na mão. Mamão? Não cara, na mão!... De repente, avisto a dona Tomico More Saito, a senhora de 82 anos que sempre está participando de corridas, e cumprimentei-a em japonês: "Obáchan, ohayô gozaimas!" Ao que ela me respondeu: "Ohayô gozaimas! Gambatte ne!" E eu: "Gambarimashô!" (tradução: "Ei, vovó, bom dia!", "Bom dia! Se esforce, hein?", "Vamos nos esforçar!"). Poxa, eu tenho a maior admiração por ela! Sempre a vejo em corridas, desde a primeira que participei, em maio de 2005. Quiçá, eu possa chegar nesta idade correndo!
E a sintonia do rádio continuou: ... Cara, comprei um GPS... Qual é o seu tênis? Este é macio?... Vamos lá, tá no fim, acelera!... Falta pouco, não vai desistir agora, vamos lá... No finalzinho, eu ouvi alguém me chamar. Acho que era o autor desta foto:


Kkk, o treinador, Arthur. Depois, ainda recebi um comentário: "Você estava correndo com as costas envergadas! Melhore a sua postura!" Rsrsrs. Eu estava concentrada em dar passadas largas e rápidas e esqueci-me da postura!
E no final, fomos alongar! Segundo ele, "alonguei os meus alunos...". Kkk, não é assim, Arthur? Ai, quem me dera se pudessem me alongar as pernas! Eu ia ficar mais rápida!
Agora, vai aqui uma nota: um de nossos colegas, o Mário, ao chegar no contorno da 23 de Maio para voltar em direção ao Ibirapuera, foi literalmente "atropelado" por um dos atletas participantes e caiu no chão, machucando seu joelho e batendo o seu ombro. Felizmente, parece que não houve nada de mais grave. Segundo o Mário, a organização da Corpore, mais uma vez, impecável, chamou a atenção do tal atleta e disse: "Você está fora (da corrida)!". É lamentável encontrarmos pessoas sem espírito esportivo... SEU Mário, apesar disso, terminou bem a prova. Ainda teve a companhia de sua esposa, a Rita, que foi participar da caminhada.
Bom final de domingo a todos! Até a próxima!

10 de mai de 2008

Só rindo mesmo...

Nesta semana que passou, recebemos lá no trabalho, um presente de uma amiga que foi estagiar no Japão. Normalmente, quando enviam presentes de lá, é coisa para comer e, na maioria das vezes, doces! Pois então, o doce desta vez era... um tanto quanto diferente. Nunca tinha visto coisa igual! O pacotinho, o qual eu coloco aqui ao lado para vocês verem, dizia: "Gorira no Hanakuçô", ou seja, "meleca" do nariz do gorila! Todos olharam e morreram de rir. Sabem o que era? Um doce feito de grãos de soja preta! O aspecto realmente era de "meleca", pois eram grãozinhos pretinhos e aos montes (kkk), mas o sabor era muito bom! Agradeci o presente pelo e-mail, e a nossa amiga respondeu dizendo que ela o tinha comprado na frente da jaula do gorila, no zoológico de Sapporo!
No dia seguinte, eu fui correr no Parque do Ibirapuera, e enquanto corria, lembrei-me do pacotinho de "Gorira no Hanakuçô" e comecei a rir sozinha. E quando estava rindo, avistei um rapaz que estava correndo em direção contrária à minha, que vestia uma camiseta escrito: "Se quiser sair comigo, sorria!" Hahahaha. Gente, eu não estava "sorrindo" eu estava "só rindo", é diferente, não? Digam-me que é, por favor! Senão apanho do meu marido! Rsrsrs. Brincadeirinha! Pois então, este rapaz estava dando voltas em direção contrária à minha, e o encontrei por 3 vezes, mas piada contada pela terceira vez, perde a graça, né?
Amanhã, apesar de ser Dia das Mães, temos a corrida do Graacc. E desta, vou participar por uma questão de honra! Já tive câncer e fui muito bem cuidada. Agora que estou esbanjando saúde, é minha vez de prestigiar quem me chama! Fui!

5 de mai de 2008

Que frio!

Oi! Estou de volta! Mas que frio!!! Como vocês se vestem para treinar neste frio, hein? Fala, picolé! Kkk. Hoje, entrei no elevador e estava comentando com o meu marido que amanhã vai fazer menos que 10°C e que eu ia acordar cedo para treinar. Eu ainda disse a ele que também acordasse cedo para caminhar. Uma mulher que estava ouvindo a nossa conversa começou a rir e disse: "Ai, socorro!", e desceu do elevador um andar abaixo do nosso. O que será que eu disse de tão engraçado?
Ontem, percorremos 700 km desde Ilha Solteira até São Paulo... de carro logicamente! Saímos de lá às 4:20 da manhã e fomos chegar em São Paulo por volta das 12:00.
Como algumas pessoas não conhecem a cidade de Ilha Solteira, vou fazer uma breve apresentação da cidade antes de falar sobre o meu treino lá. Ilha Solteira fica na divisa do estado de São Paulo e Mato Grosso do Sul. É uma cidade com uma grande população estudantil, devido à existência da Universidade Estadual Paulista (Unesp) que oferece cursos de agronomia e outras áreas da engenharia. Uma outra parte da população é constituída de pessoas que trabalham nas usinas existentes na região, como a de Ilha Solteira e Jupiá, projetos iniciados com a vinda da CESP. A cidade em si é relativamente pequena (22.664 habitantes)... zzz... ei, vocês estão acordados? Kkk.
Consta no histórico da cidade que o nome de Ilha Solteira veio de um "montinho" de terra situada no Rio Paraná que margeia a cidade, e que a cada ano tende a afundar mais. Querem ver o "montinho"?

Acho que não dá para ver direito, né? Rsrsrs. Mas ele está aí, bem no meio da foto!
Para a apresentação não ficar muito maçante e nem cópia de enciclopédia (daqui a pouco, eu é quem não vou me agüentar!), vou inserir algumas fotos da cidade.










Viram só que cidade legal! Pena ser tão longe... sabem o que mais tem lá? Tem uma festa que reúne motoqueiros de todo o Brasil, a Ilha Solteira Moto Fest, onde fazem exibição de motocicletas e piruetas!
Voltando ao assunto "corrida", na sexta-feira, minha planilha marcava 16 km. E eu fui dar umas voltas. Como já disse nas postagens anteriores, eu não tenho senso de direção. Para eu não me perder, delineei um círculo perto da casa da minha sogra, com 3,4 km de distância e dei 5 voltas iguais completando 17 km. A maior parte do percurso é plana, mas algumas subidinhas fizeram o treino ficar melhor. Foi assim que treinei para a São Silvestre! Depois, no final da tarde, fizemos uma caminhada de uns 5 km para tirar estas fotos. No dia seguinte, caminhamos bastante também. O clima, diferente do final do ano, estava bem ameno, quase frio. Agora, estamos de volta aos treinos normais! Vamos ver se acordo cedo para conseguir pegar uma esteira vaga na academia! Até mais!