30 de nov de 2008

Correndo em casa

Depois de muito tempo sem participar de corridas "em casa", hoje, eu fui à da Track and Field! Tinha combinado de encontrar o Regis em frente ao Banco Bradesco, dentro do Shopping Villa-Lobos, pois nunca nos encontramos, apesar de termos participado de umas 3 provas iguais este ano! Porém, eu perdi a hora pela primeira vez desde que participo de corridas!!! Eu tinha colocado o despertador para tocar às 6:00. Eu devo tê-lo desligado inconscientemente e fui despertar às 7:00! Só deu tempo de escovar os dentes, colocar a roupa e sair correndo! Chegamos ao local da corrida em 25 minutos, ou seja, 20 minutos antes de a corrida começar! Lembrei-me do Nadais, pois parece-me que ele anda chegando em cima da hora das provas! Rsrs. Parece que ele estava por lá também, mas não o encontrei! Logicamente, no local marcado, não encontrei ninguém! Passou por mim, a Carina Park da Playteam e o Frank. Combinamos de nos encontramos depois da corrida no mesmo local. Mas, não conseguimos nos encontrar! Quando estava fazendo o aquecimento, já perto da largada, o Regis me avistou e gritou o meu nome! Ainda bem que ele não me confundiu com a Carina! Rsrs. É que no número de peito constava o nosso nome escrito! Só assim mesmo para ser reconhecida! Kkk. Ele estava com 2 amigos, fazendo o aquecimento e disse: "Olha só eu saí do computador, também, virei "real"!". É, seu Jorge Maratonista, estamos todos virando reais!

O kit da Track & Field

Dada a largada, fomos para os 10 km mais charmosos de São Paulo, tirando a parte que a gente sobe a Ponte do Jaguaré o Rio Pinheiros não deixa a gente respirar direito! Hoje, não tinha ninguém "bufando" para subir a ladeirinha da ponte! E novamente, ultrapassei muita gente na subida! Só na subida consigo fazer ultrapassagens seguras! No plano, as minhas passadas não deixam!
No início do percurso, o Eduardo Sano do 4 Runner Café passou por mim.
Já no km 9, o Valter Ide me alcançou! Depois ele me disse que largou lá atrás para ver se eu estava por lá Porém, ele só me avistou no km 7, e foi me alcançar e ultrapassar no km 9! Eu larguei no marcador de 6 minutos por km. Ele deve ter ficado bem mais para trás, portanto! Encontrei também o Augusto Muraoka, da Playteam, depois da chegada. Ele estava com a esposa e seu filho que, pelo jeito é um futuro corredor! Logo que avistou o pai, saiu correndo! E o Augusto, depois de terminado os 10 km, ainda teve que sair correndo atrás do menino!

Augusto correndo atrás do filho, Leo

Augusto e seu filho Leo, futuro corredor

Sei que no percurso, quando encontrava as pessoas, gritava: "Na frente do Bradesco!". Bem, pelo menos, acho que o pessoal me entendeu, pois olha só a galera que se reuniu depois, toda suada, digna de uma foto pós-corrida!

Valter Ide, Regis, eu, Monica, Eduardo Sano,
Augusto Muraoka e seu filho


E como sempre, o fotógrafo foi... o meu marido que acordou tão assustado quanto eu e saiu correndo comigo!

Após a corrida, eu fui almoçar "moti" (bolinho de arroz socado) numa associação japonesa, e eis que encontro o casal Ide! O cunhado do Valter é vocalista de uma banda e cantou no evento!

Suzana e Valter Ide

Banda Deai

Vendo os rapazes socarem o arroz (isto se chama "motitsuki" em japonês), lembrei-me dos biceps do Guilherme Maio. Da próxima vez, acho que vou chamá-lo para experimentar socar "moti"! Precisa ter muita força no braço!

Motitsuki
E os treinos continuam! Boa semana!

29 de nov de 2008

O Nhoque da Maratuna

Hoje é dia 29, dia de comer nhoque da fortuna! Porém, nós, maratonistas e simpatizantes, fomos comer o nhoque da "maratuna"!
Vocês irão ver a história abaixo postada em mais alguns blogs! Postarei também sobre os "bastidores" deste encontro: os melhores momentos!
Então, primeiramente, vamos à "fábula" do nhoque da "maratuna"!

A VERDADEIRA HISTÓRIA DO NHOQUE DA MARATUNA


Em tempos remotos, em um vilarejo na velha Itália... Reza a lenda que São Pantaleão, ainda um missionário andarilho, chegou a esse pequeno local em um dia 29. E bateu à porta de uma simplória casa. Um casal de velhinhos, mesmo desconfiado com a chegada daquele visitante, o recepcionou e serviu o único alimento que havia em casa: nhoque, dividido em sete unidades para cada. Ao tirar os pratos da mesa, logo após a saída do estranho, os velhinhos encontraram moedas de ouro embaixo do prato, experimentando um longo período de fartura.

Eis que surgiu a tradição do “Nhoque da Fortuna”: deve-se comer a iguaria todo dia 29 de cada mês, colocando uma nota de dinheiro debaixo do prato. Muitos dão preferência ao dólar, já que é uma moeda mais forte e segura. Daí é só comer sete bolinhas de nhoque de pé, fazendo um pedido a cada garfada.


29 de novembro de um ano recente, em um café no bairro do Ipiranga, em São Paulo... Sete amigos maratonistas (e blogueiros) decidiram se encontrar: Harry, Hideaki, Léo, Mayumi, Sérgio, Valter, Yara. Famintos, após terem feito seus treinos longos do dia, pediram um prato de nhoque cada. O dono da casa, também maratonista, não se espantou com o pedido e logo tratou de servi-los. Alguém lembrou que, por ser dia 29, deveriam colocar algum dinheiro debaixo do prato para atrair fortuna. Procuraram nos bolsos e nas bolsas. Nem um centavo foi encontrado - tudo havia sido gasto nas últimas provas, relógios, tênis e viagens de corrida.

Porém, como sempre andavam com suas medalhas de maratona, bens muito preciosos para esses corredores, resolveram colocá-las embaixo dos pratos. E a cada garfada, um pedido: “Nova York”; “Chicago”; “Berlim”; “Londres”; “Boston”; “Tókio”; “Paris”. Depois disso, reza a lenda, abençoados por São Pantaleão e pelo Muttley (Medalha, Medalha, Medalha), os sete maratonistas passaram a correr uma grande maratona por ano. E mais: graças à simpatia, também ficaram livres da “maldição do km 30”... Dizem que, para garantir o fôlego em todos os 42 km que pretendiam correr, os amigos ainda apelaram para São Nuno Cobra, repetindo - de boca vazia, óbvio - três vezes ao longo da refeição "Eu moro pra lá de Paranapiacaba".


EIS QUE SURGIU A TRADIÇÃO DO “NHOQUE DA MARATUNA”.


Obs.: a simpatia também pode ser feita por corredores de Meia Maratona, desde que sejam colocadas TRÊS medalhas de provas desta distância - afinal, uma Maratona não é a mesma coisa que duas Meias.


Essa história foi desenvolvida a partir de e-mails trocados durante algumas semanas entre os amigos Harry, Hideaki, Léo, Mayumi, Sérgio, Valter, Yara - ou simplesmente “A TÁVOLA REDONDA DOS MARATUNISTAS”.


OS BASTIDORES
Foi um "parto" convencer o Leo Hacidume a ir a este encontro hoje! Ele disse que já tinha compromisso! Porém, ontem, almoçamos juntos (o Leo, o Guilherme Maio, o Marildo e eu) e expliquei que tinha que ter 7 maratonistas para realizarmos o "ritual" acima descrito, senão, ele correria o perigo de nunca mais poder correr! Rsrsrs. Foi aí que ele viu a importância de ir ao nosso encontro! Mobilizamos até o Guilherme Maio, que gentilmente o levou até o local! Neste mesmo dia, o Marildo tinha me convidado para participar da equipe dele em Santos ("Matungos, pangarés e amigos") para correr algumas provas municipais, e eu havia recusado por achar que não conseguiria cumprir todas as etapas do circuito. Porém, eu fiz uma contra-proposta: eu vou correr com a sua equipe, só se você vier amanhã para o nosso encontro! ELE VEIO!!! E ainda, disse que convidaria a Yara Achôa e a mim para sermos "musas" da equipe! Rsrsrs.

Almoço de sexta, perto do trabalho: Leo, Guilherme, Marildo e eu

Eu tinha avisado rapidamente o Valter Ide que o número de participantes da "nhocada" iria aumentar! Porém, hoje, o Harry não pôde comparecer devido à compromissos de última hora! Tinha convidado a Jackelyne para ir também, pois na postagem de nosso encontro anterior neste mesmo local, ela tinha manifestado interesse em ir! Infelizmente, ela também não pôde comparecer! Portanto, ficamos sem 2 membros previstos para a "confraternização".

6 dos 7 maratonistas que compõe a fábula. Faltou o Harry!

Chegando ao local da reunião, antes dos maratonistas tirarem as suas medalhas dos bolsos e bolsas, o Marathon Maniac número 1024, Hideaki, pegou o Muttley citado na fábula acima e o "prendeu" numa jaula "construída artesanalmente" por ele na madrugada desta noite (nota: ele não dormiu de ontem para hoje, construindo a jaula, traduzindo a música Runner do japonês para o português, elaborando os detalhes da fábula e principalmente, procurando todas as suas 8 medalhas de maratona conquistadas para ser promovido à categoria silver do Marathon Maniacs! Ele disse que nunca sabe onde "larga" as medalhas conquistadas!).

Muttley antes da prisão

Muttley enjaulado

Hideaki prendendo o Muttley com fita adesiva
para ele não pegar as nossas medalhas

Depois do Muttley preso, foram servidos os nhoques, cada qual com o molho de escolha dos participantes! No ato do pedido, o Hideaki brincou que o nhoque "maratuna", por conter a palavra "atum" no meio, era nhoque de atum! E não é que o Leo acreditou e foi pedir o tal nhoque de atum!!! Kkk. Debaixo dos pratos, conforme reza a lenda, colocamos as medalhas da maratona!
O Harry faltou, mas tivemos aqui 2 meio-maratonistas de peso:
Guilherme e Marildo

Olha só os pedidos! Cada qual com seus sonhos de maratona! Os meus foram: Porto Alegre, Rio de Janeiro, Buenos Aires, Toronto, Disney, Tóquio e Paris! Afinal, sonhar é preciso! Espero que algum deles se realize!

Humm, acho que quero ir para Nova Iorque de novo!
Chicago estava bom... será que peço um bis?
Não, não acho melhor ir pra outro lugar!
Nossa, o que será que puseram neste nhoque aqui?

Ah, Disney, lógico! Esta já está no papo!
Já estou até inscrito!

Ahmm! Putz, não é de atum! Mas que está bom, está!
Ah, o pedido! Quase esqueço! Nova Iorque...

Que venha qualquer uma!
Tenho que subir de categoria no Marathon Maniacs!
Humm, vou comer logo, pois vou querer repetir o prato!

Ai, sou a última a comer, a pedir e também a terminar a maratona!
Devagar e sempre, devagar e sempre... sem engasgar!
Pô, Mayumi, anda logo, porque está todo mundo esperando para comer!

22 de nov de 2008

Vamos brindar! Kampai!

Há um ano, nascia este blog, e esta é a postagem de número 100! Agradeço de coração a todos os leitores e em especial a uma amiga que foi a mentora dele. Eu era leitora assídua do blog dela e, num certo dia, quando lhe escrevi um e-mail, ela me respondeu: "Por que você não escreve um blog também? Eu morro de rir com as suas mensagens! Acho que o pessoal vai gostar de ler!" Pensei: "Será??? Mas, o que eu poderia escrever?" E resolvi então, começar a escrever sorrateiramente, só como um teste. Porém, num dia em que deixei um comentário no blog dela, o endereço do meu "blog secreto" foi junto! E ela acabou descobrindo as minhas postagens! Jackelyne, muito obrigada pelo incentivo! Você não imagina quanta gente já conheci por este canal!
Jackelyne Gense (blog Correr e Viver-Webrun)
Logo depois, o Jorge Maratonista colocou um comentário em uma das minhas primeiras postagens! Eu me senti como se estivesse fazendo um bolo e, antes de eu terminar, viessem as "crianças" e comessem o bolo quente! Pois é... o blog não estava pronto para divulgação!!!
São muitos os agradecimentos... hoje, por exemplo, recebi um telefonema dizendo: "Mayumi-san, temos que ir comer comida japonesa!" Sabe quem era? Este casal de corredores que conheci na Playteam!
Maristela e Maurício
A primeira vez que eu corri com a camiseta da Playteam, eu escutei alguém gritar: "Vai, "peitin"!" Era o Maurício! Só depois é que eu percebi que ele tinha gritado: "Vai, Playteam!" Um outro rapaz, ao me ver correr grita: "Liga o turbo!" E eu respondo: "Não sou turbinada! Sou "peitin!" Kkkkk.
Bem, um ano de abobrinhas, xuxus, abacaxis... e muitas alegrias!
Tenho mais agradecimentos! Não sei se vocês se lembram que eu falei de um rapaz de Uberaba que encontrei na Maratona de NY e que tinha estudado inglês em uma escola que se chamava Point One. Coincidentemente, esta escola era da minha professora de inglês que se mudou para São Paulo. Não fosse as lições de inglês dela, não tinha conseguido nem entender a torcida, embora com um inglês enferrujado, broken mesmo, por culpa minha e não da professora!
Escrevi para ela falando sobre a maratona e marcamos um almoço!
Maíza Fatureto
E esta mulher é uma vencedora! Leiam a mensagem que ela nos trouxe, de um colega de trabalho dela, que foi comandante em uma empresa de aviação:
"Voe por cima da turbulência!" (João Madureira)
É isto, gente, quando vocês se virem em meio a um clima "turbulento", cheio de problemas, suba um pouquinho mais alto e verá os problemas todos lá de cima! Portanto, nada de "voar baixo", hein? Rsrs.
E para finalizar, deixo os meu parabéns ao meu marido que faz aniversário amanhã, dia 23 de novembro!
Muito obrigada a todos que tem acompanhado as minhas postagens!

20 de nov de 2008

Ai, fui pinçada de novo!

Na semana passada, tive que fazer outra avaliação física! De 6 em 6 meses, a academia pede nova avaliação e exame médico! E lá vem o "avaliador" com a pinça de adipômetro de novo! Ô cara de mau!
Para começar... subir na balança! Hahaha, só posso doar sangue se estiver de tênis. Se estiver descalça, não posso! Para ser um doador de sangue, você tem que pesar mais que 50 kg. Se eu tiro o tênis, fico com 49,6 kg. Se eu coloco o tênis, fico com 50,1 kg! Rsrsrs. Agora a altura: diminuí 1 cm!!! Acho que estou encolhendo! É bom parar de bater os pés na hora de correr! Bem que o Arthur falou! Rsrs. E lá vamos nós para as "pinçadas"! Vamos ver quanto de gordura temos no corpo! Ai, ai, ai... pinça de lá, pinça de cá... mede de lá, mede de cá... terminou? Sim, a parte das medidas! Agora, vamos para o teste de fôlego, batimentos cardíacos, força... abdominais! Vamos lá, eu um minuto, quantas flexões conseguimos fazer? 1, 2, 3, 4, 5... 36, 37... 49, 50, 51! E vamos para a flexão de braços: 1, 2, 3, 4, 5... 33, 34, 35... 48, 49! Ai, acho que chega, né? Ainda não! Bicicleta! Vamos lá! E depois... rsrs. Fui dispensada! Estou esperando os resultados até hoje! Será que aconteceu algo de errado? Sei que vão mudar a série de exercícios de musculação depois que vier o resultado! Já avisei lá que não vou carregar pesinhos fazendo careta! Não quero ficar com corpo de Madonna e cara de museu!!!
E vamos malhar! Vamos correr! Bons treinos!

18 de nov de 2008

Ai, que preguiça é esta, gente?

Vamos trabalhar! Vamos malhar! Rsrs.
Hoje, o dia amanheceu parecendo que ia fazer um sol daqueles. Mas, com o tempo, ficou nublado e depois, começou a chover!
Meu dia começou com a minha ida à academia. Peguei o metrô e fui observando os passageiros. Todo mundo de cara amarrada! Amarrada e amassada! Parece segunda-feira!
Cheguei à academia disposta a fazer exercícios de musculação, conforme prescrito na planilha. Estava lá, fazendo os exercícios de tríceps com os pesinhos, quando o treinador vai mostrar como fazer este mesmo exercício para outro aluno: "Olha, é assim, como a Mayumi está fazendo. Pode começar!" E ele diz: "Ah, mas se a Mayumi está fazendo, eu não preciso fazer!" Rsrsrs. Eta preguiça! Daí há pouco, vem o SEU Mário, já terminando a série, faltando somente realizar os exercícios abdominais que ele tanto "adora"! Ele disse: "Ah, não vou fazer, não!" E o treinador: "Vai fazer, sim!" E lá vai o SEU Mário contar os abdominais: "Um, dois, cinco, dez, doze, vinte, vinte e um, trinta..." Opa, opa, opa! Que contagem é esta??? É, hoje, ninguém estava com vontade de fazer exercícios! Mas, é bom fazer musculação, não é? O Guilherme Maio é quem gosta! Mas, não é legal, Guilherme? Fala que é! Rsrs.
Hoje, na hora do almoço, escrevi ao Guto Francischini, responsável pelo atendimento das contas de artigos esportivos da Alpargatas - Mizuno, Rainha, Timberland e Topper, prometendo veicular aqui a propaganda do tênis Mizuno, que está passando na televisão e, há duas semanas, nos cinemas também! Promessa é promessa! Aqui está, gente! Tênis para kitigai correr! Guto, desculpe-me a demora! O veículo de comunicação aqui é beeem lento, como nas corridas!

video

16 de nov de 2008

Da geladeira ao forno!

Após termos viajado por 3 horas, dormimos e amanhecemos em Guaratinguetá.
Há duas semanas, estava eu, quase congelando na concentração da maratona em Nova Iorque. Hoje, quase derreti no calor da prova do Bar do Mané! Um contraste enorme! Mas, uma coisa em comum nestas duas provas foi a organização impecável! E segundo os colegas que já participaram das edições anteriores, ela cresce a cada ano! Embora simples, sentimos em cada detalhe encontrado, a dedicação do SEU Mané que tive o prazer de conhecer pessoalmente hoje. Por exemplo, os números de peito são confeccionados em um material plástico e devolvidos ao final da prova para reutilização; a água dos postos de hidratação, foram colocados em saquinhos plásticos e amarrados um a um. No percurso, embora não houvesse um público gritando e torcendo por você, encontramos palavras de incentivo escritas no asfalto. Numa das subidas, eu li a frase "Vai que dá!". E quando se chegava ao topo da subida, estava escrito "Ufa!".
Acho que a maioria sabe que eu não tenho um senso de direção muito aguçado. Teve uma hora que eu não avistei mais ninguém na frente e nem atrás de mim! Fiquei desesperada pensando que eu ia me perder pelo percurso, que ia errá-lo. Porém, a organização colocou pessoas em pontos estratégicos para direcionarem os atletas corretamente. E no asfalto havia flexas desenhadas.
Encontramos muito amigos lá. Ainda dentro do Bar do Mané, eu avistei o Jorge Maratonista que só conhecia "virtualmente". Quando o vi, eu disse: "Nossa, você saiu de dentro do computador!".
Encontrei também a dona Neide. No início do percurso, ela me disse: "Vai na frente, no seu rítmo, porque eu vou devagar, tem muita subida.". Porém, depois que ela me disse isto, disparou na minha frente e me deixou uns 20o metros para trás! Depois, eu não consegui mais alcançá-la! No final, quando eu a encontrei na fila de entrega do chip e do número de peito, ela virou-se para mim e disse: "Você sempre chega na minha frente!" . Eu respondi: "Não, eu estava atrás de você! Não consegui te alcançar!". E ela disse: "Ah, pensei que você tivesse tão à frente de mim que eu não conseguia te enxergar!". Rsrs. Acho que ela correu muito rápido pensando que tinha que me alcançar, e eu corri mais ainda para tentar alcançá-la, mas não consegui! No final, acabamos correndo mais que as pernas! O pior é que eu não sei em quanto tempo concluí a prova! Rs. Esqueci até de desligar o frequencímetro depois da prova!
Outro que me ultrapassou foi o Leo Hacidume. Eu perguntei a ele se tinha mais subidas e ele disse: "Tem sim, vai poupando energia aí! ". E saiu disparado, me deixando comer poeira! Rsrsrs.
No percurso tinha muitas subidas. Pelo que me falaram, foram seis subidas ao todo. Havia um senhor que me ultrapassou em uma das descidas e corria sempre "bufando", fazendo "buf, buf, buf". Mas chegava nas subidas, eu o ultrapassava. Incrível como era sempre nas subidas que eu o ultrapassava. Fiz ao todo 3 ultrapassagens na subida. E na última que fiz, já perto do final, ele não conseguiu mais me ultrapassar, mas continuava "bufando". Comentei isto com o Fábio Namiuti e sua esposa Janete, depois da corrida. Daí a Janete disse: "Nossa este senhor parece um Uno Mille! Nas subidas, perde a potência" Rsrs.
Eu e Guilherme Maio
Fabio Namiuti, eu, SEU Mané, Leo Hacidume, Cleidi e Jorge Maratonista

No final, como em Nova Iorque, abri os braços e o levantei, bem no pórtico de chegada! Daí, avistei o SEU Mané e o abracei, toda suada! Acho que ele ficou todo melecado! Kkk.
Depois da prova, tínhamos combinado de almoçarmos com alguns amigos em um restaurante chamado "Bela Santa". Porém, ao chegar ao local, o mesmo se encontrava fechado!!! Bela Santa Adormecida... Bela Adormecida Santa... Santa Bela Adormecida... E agora? Eu tinha convidado a dona Neide para nos encontrarmos lá! Estou sem o contato dela! Desculpe-me dona Neide!
Mudança de planos: Churrascaria Augusto Grill! Ótimo, vamos lá!
Bem, agora, é hora de nos divertirmos com os amigos! Porém, sentimos a falta de alguns que iam estar presentes, mas, segundo Leo Hacidume, cancelaram a ida de última hora! Paulo Massa, Wladimir Azevedo e Ricardo Hoffmann, você estão devendo esta para nós!
Fomos almoçar com Guilherme Maio, Jorge Maratonista, Fabio Namiuti e sua esposa Janete, Leo Hacidume e sua namorada Cleidi, eu e meu marido Ciro.
Mostrei a minha medalha de Nova Iorque e falei mais algumas coisas sobre aquela cidade. Não sei se vocês chegaram a ver o pedido de compra de curry do Leo. Este garoto colocou vários recados no meu blog pedindo para que comprássemos curry (um prato da culinária japonesa, vendido também em versão instantânea) em Nova Iorque. Porém, lá não encontramos! O meu marido teve uma idéia: compramos o pacote de curry aqui e vamos "personalizar" o produto! Olha só que legal!
Kkk, ele estava quase acreditando!
O almoço foi muito divertido! Ah, Harry, eu não me contive e tive que falar sobre aquelas histórias engraçadas que você nos contou na nossa última reunião: aquela da moça que você estava paquerando, e a do velhinho que você ajudou a atravessar a rua! Como você já me deu a permissão para contar, vou contar para todo mundo! Escutem só estas do Harry!
Numa festa, o Harry avistou uma moça muito bonita e foi puxar conversa com ela. Como ele já nos contou, ele perdeu a audição a algum tempo e se comunica (muito bem, por sinal) lendo os lábios das pessoas. Porém, ele não estava entendendo nada do que esta moça estava falando. Então, pediu ajuda a um amigo, para que ele fosse perguntar à moça o que ela tinha dito a ele. Foi quando ele descobriu que ela era muda!!! É Harry, a moça devia ser muito bonita, mas assim, não tem como vocês se entenderem...
A outra história que ele nos contou foi a de um velhinho que estava para atravessar a rua e ele cutucou-o dizendo algo que ele havia interpretado como sendo um pedido de ajuda para atravessar a rua. Quando ele acabou de atravessá-lo e estava pensando que tinha feito a boa ação do dia, o velhinho perguntou a ele: "Então, vai ser na minha casa ou no hotel?" Rsrs. Ele estava cantando-o! Como pode?
É, pessoal, depois eu é quem sou engraçada! Segundo o meu marido, eu atraio coisas engraçadas! Ah, não estou chamando vocês de engraçadinhos, não, ok?
Pessoal, muito obrigada pelo dia de hoje! A prova estava muito boa e o almoço, 10! Espero que tenhamos mais encontros assim!

15 de nov de 2008

É feriado, mas tem treino!!!

Ah, pensaram que só porque é feriado, eu não ia treinar, né? Rsrsrs.
O treinador "carrasco" (brincadeirinha, viu, Arthur!) não deixa a gente descansar, não! A gente sofre, mas ele sofre junto! Kkkk. Eu disse que hoje era dia de eu ir à Guaratinguetá, pois amanhã, teria a Corrida do Bar do Mané lá! E ele disse: "É mesmo? Mas a prova é no domingo! Sábado, tem treino!" Rsrsrs. Este é o Arthur! Nunca se atrasa! Marca treino às 8:00, mas chega às 7:55. Eu, como boa japonesa, chego atrasada! Rsrs. Mas, cadê a turma da academia? O pessoal "cabulou" o treino! Fomos só eu e a Márcia! Ô pessoal dorminhoco!!! Rsrsrs.
E voltamos aos treinos: "Passadas largas! Olha o calcanhar! Mais rápido! Pulando! Agora de lado! Vamos lá!" Rsrsrs. E ele já enviou as fotos que tirou hoje pela manhã!



Depois do treino... ir à feira, ao mercado, ao Shopping almoçar com o meu marido que foi fuçar a livraria (rato de livraria!)... puxa, tem a missa do meu avô logo mais! Bem... e Guaratinguetá? Ah, sim... acho que vou chegar lá pelas 23:00 lá! Rsrs. Pessoal, até amanhã! Boa prova a todos!

14 de nov de 2008

A turma da Academia One Way

Olha esta foto, gente! Foi tirada na prova da Graacc, no Ibirapuera! Esta é a nossa turma da academia! Alguns correm e outros andam, mas todos malham!
Deixe-me apresentar o pessoal!
Da esquerda para direita, em pé: Márcia, eu, Kiko (filho da Márcia), Vera, Arthur (treinador), Eliana, Luís Fernando e Rita (esposa do SEU Mário)
Da esquerda para direita, agachados: SEU Mário, Alberto e Fernando.
Este pessoal é tudo de bom! Agradeço aqui a todos vocês pelo carinho e atenção! Recebi esta foto num porta-retrato, que agora está na frente do meu computador!
Eu frequento a academia pela manhã, bem cedinho, antes de entrar no trabalho. SEU Mário faz exercícios no mesmo horário! Os demais fazem em horários diferentes, mas nos encontramos nas corridas! Num dia destes, SEU Mário que sempre me cumprimenta em japonês dizendo: "Ohayô!!!" (Bom dia), foi cumprimentar uma outra oriental que estava correndo na esteira. Qual não foi a surpresa dele quando a menina respondeu a ele: "I'm korean!" (Eu sou coreana!) Kkkk. SEU Mário, que gafe! Não nos confunda! Rsrs. Estamos voltando à mesma questão: somos todos iguais? Rsrsrs. E para não deixar barato, ele resolveu me meter numa fria, já que eu tinha visto a gafe! Ele disse em inglês à coreana que eu sabia falar na língua dela, que ela falasse comigo em coreano! Rsrsrs. As únicas coisas que sei falar em coreano são: An'nhon'haseyo (bom dia, boa tarde, boa noite) e "Na nun Burajir saram im'nida!" (Sou brasileira)! "FERROU!", pensei eu! Mas, por sorte, não fui pega por ela! Rsrs. Acho que ela não entendeu o que o SEU Mário disse à ela! Hahaha.
Este pessoal é demais! Muito obrigada pela torcida e pelo incentivo, principalmente nos treinos, algumas vezes, remotos e solitários! Mas, amanhã, vai ter treino conjunto! E lá vamos nós! Até mais!!!

13 de nov de 2008

Depois de uma postagem quilométrica...

... uma outra postagem quilométrica! Rsrs. Brincadeira!
Olha, eu estava aqui lendo os comentários dos meus queridos leitores e vi que tinha algumas perguntas a serem respondidas! Fiquei pensando em como poderia fazer para responder a todos, sendo que não tenho o contato de todo mundo. Não responder seria uma sacanagem! Ninguém gosta de "falar" com as paredes! Então, resolvi responder em forma de outra postagem! Desculpem-me se estou sendo grosseira respondendo a todos de uma vez! Não é minha intenção ser grossa! Afinal, malhei muito para ficar fininha! Rs.
Primeiramente, agradeço todas as manifestações de elogios à postagem e espero que tenham "viajado" comigo!

1. Sobre a devolução do lindo chip

Na verdade, tinha a opção de não devolver o chip. Porém, no ato da inscrição, temos que escrever o número do cartão de crédito com o propósito de debitarem nele um valor de US$50,00 caso eles detectem a falta do nosso chip. Portanto, a opção que eu teria seria de "comprar" o chip por US$50,00. Mas, como a maioria estava devolvendo, nem me passou pela cabeça ficar com ele! O Osmar de Brasília acabou "comprando" o chip, não foi, Osmar?

2. Sobre o frio
Realmente, não foi fácil ficar parada naquele frio, antes da maratona começar! Ficava batendo os dentes e revezando a hora de ir ao banheiro: um ia e voltava, depois de 5 minutos, ia outro e voltava, e assim ficava... toda hora tinha gente indo ao banheiro por causa do frio! Mas, acho que dá para aguentar por algumas horas! Foi bom bater os dentes de frio: peguei um "begel" (um pão redondo como uma rosca, durinho) e mastiguei ele bem depressinha, batendo os dentes! Kkkk. Mas, sem dúvida, no percurso, a gente nem sente o vento gelado! Eu larguei com duas blusas que joguei para doação depois que atravessei a Ponte Verrazano. Acho que o meu marido que não correu sentiu mais frio que a gente naquele dia, pois até hoje ele comenta que o dia mais frio da nossa estadia lá, foi o dia da maratona! No final, eles fornecem uma manta térmica de alumínio. Eu andei de camiseta e shorts, somente coberta com a manta até a hora de chegar ao hotel. Andei até de metrô assim e estava bem! Como estava ventando bastante, eu resolvi virar a abertura da manta para trás e andar! Quando virei a esquina, o vento começou a bater por trás e "invadiu" a manta, fazendo com que eu me parecesse com um balão de alumínio! Que frrriiio!!!

3. Fotos correndo
Sim, tiraram fotos durante o percurso, mas eu ainda não as comprei! O que posso fazer é deixar um link aqui para vocês poderem ver as fotos em miniatura! Sorry!
http://www.brightroom.com/view_user_event.asp?EVENTID=34924&PWD=&BIB=42958
Se quiserem ver o meu pace, está neste link abaixo:
http://athletetracker.ingnycmarathon.org/pace/index.php?start_no=42958

4. Tênis da Brooks
"... comprando um tênis da Brooks, o cara me falou que esse era o tenis usado por 70% dos corredores da Maratona de NY. Achei que era papo de vendedor. O q vc acha?"
Para falar a verdade, eu não reparei! A maratona é patrocinada pela Asics, mas na feira tinha estande da Brooks e da New Balance também! Numa certa vez, fui a um treino técnico da Brooks, fiz um test-drive com o tênis e gostei muito! E o representante disse mesmo que era usado por 70 % dos maratonistas da NYC Marathon. Não sei se é verdade. Mas, na inscrição, perguntaram com que tênis a gente iria correr. Então, deve ter uma pesquisa neste sentido. Vamos procurar!

5. Eu me diverti muito com o comentário de vocês! Querem ver?
Valter Ide
"Aêeeee Mayumi!!! Congratulations!! You did it!!! Facinho não?! Vai encarar a de 2009?!"
Hideaki Maraturista
"Kansou (完走)??? Sensacional!!! Não te falei que "urso" não existe?"
PS: "Kansou" em japonês significa "completar a corrida"
Osmar
"Espero ser coadjuvante na próxima "longa metragem"!"
Giovanna Mayer
"Já está subindo e descendo as escadas direitinho?"
Guilherme Maio
"Meia-Pangaré uma pinóia ! (risos !)"
Jorge Maratonista
"Que cara folgado hein, sentar logo na sua toalha, será que ele foi com sua cara...rsss..."
Arthur (treinador)
"Para próxima viagem ja vou preparar umas técnicas de jiu-jitsu para te ensinar, assim nenhum folgado senta na sua toalha......kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk"
Marildo Nascimento
"Agora vou esperar por seu relato sobre a Maratona de Paris e de Berlim..."
(Quem me dera! Rsrs.)
Yara Achôa
"... parece que eu não corri a mesma maratona que você, rsrsrsrs. Sou superdesligada."
Corredor X
"Não entendi nada!!!!!!!!!!!"

Kkkkkk.

6. E também me emocionei bastante!
Bruno Thomaz
"Ainda estou tentando achar palavras para elogiar seu relato..."
Guilherme Maio
"Excelente tempo e um relato excepcional"
Fabiana
"Mayumi, sensacional!!!"
Fábio Namiuti
"... realmente superou todas as expectativas. Um texto maravilhoso, que diverte (como sempre), emociona, ensina e faz pensar... Para uma verdadeira guerreira como você, uma maratona é só mais uma corrida."
Fabão
"Gostei do relato, longo mas sem enrolação."
Jorge Maratonista
"... até que enfim vc retornou, estávamos sentindo a sua falta."
Regis
"... passava aqui todos os dias esperando seu relato, adorei, vc merece, fiquei feliz por ti."
Corredor X
"Você continua sendo a minha escritora preferida"
Ricardo Hoffmann
"Parabéns pela excelente estréia!!! Relato maravilhoso..."
Marildo
"... saiba que essa sua aventura vai ficar em sua mente para sempre e na minha por muito tempo..."
Arthur (treinador)
"... vc é uma vencedora!!!"
Harry
"Fantástico! Bem vinda ao clube!"
Xampa
"Fiquei emocionado !!! As lágrimas ameaçaram ..., mas dei um ALT-TAB..."
Wladimir Azevedo
"Resultado de um trabalho sério e dedicado... arrebentou."
Paulo Massa
"Não sabe o prazer que me deu ter lido este seu post!"
Jackelyne Gense
"Parabéns querida!!! Vc venceu!!!!"
Marcos Sanches
"Parabéns, não só correu a maratona, mas se divertiu, fez um ótimo tempo."
Anderson Consenzo
"Estava ansioso para ler o seu relato!"
Daisy S. Kato
"Estava aguardando sua postagem sobre a maratona, e valeu a pena esperar!"
Stéphanie
"Bah, emocionante o teu relato sobre a maratona. "
Rodrigo Canteli
"... seu relato me deu ainda mais vontade de continuar treinando para um dia poder correr na cidade que nunca dorme."
Yara Achôa
"Como a gente revive cada emoção lendo seu post..."

7. E olha só a conexão via blog!!!
Wladimir Azevedo
"Veja que coincidencia, conheço o Osmar (meu cliente) e nem sabia que ele corria... este cara é muito gente boa."
(O Osmar foi conosco para correr em Nova Iorque e mora em Brasília. E o Wladimir mora no Rio de Janeiro! Vieram se encontrar num blog de uma paulista?!")

Osmar (ao lado direito)

Pois é, gente, é por isso que não conseguimos parar de correr! Quem diria que a Yara era minha vizinha! Rsrs. Eu nunca a encontrei por aqui, mas nos encontramos no blog!
Muito obrigada, mais uma vez! E vamos correr!!!

6 de nov de 2008

Eu completei a NYC Marathon!

Muito obrigada pela torcida, gente linda, povo maravilhoso!!!
Vou começar esta postagem pelo primeiro dia em NY, já que os meus queridos leitores pediram um relato bem detalhado! Acompanhem-me por este tour para a maratona! O que eu queria era isto mesmo: que todos viessem juntos comigo! Portanto, lá vamos nós! Aqui lhes escreve o "sistema de comunicação retardado da kitigai"! Rsrs.

O EMBARQUE (30 de outubro)
Lá fomos nós para o aeroporto, enfrentar a fila de check-in e esperar pelo embarque. Conhecemos alguns brasileiros que iriam correr a maratona também, com a camiseta verde escrita BRASIL em amarelo! Olha eu, no aeroporto, posando para uma foto e as pessoas que passavam por lá olhando para mim com cara de quem pergunta: Você é a famosa "quem"? Kkk.


Ricardo, Fernanda e Osmar na fila de check-in

Anunciado o embarque, lá vamos nós!

A FEIRA DA MARATONA (31 de outubro)
Depois de uma viagem de quase 10 horas, estamos aterrissando em NYC.


Após um café da manhã em um "deli" e de receber o envelope de inscrição para a maratona da Turismo Kamel, e apesar das recomendações de não caminhar muito para não cansar as pernas para a maratona... fomos eu e meu marido caminhando, caminhando... até que chegamos ao local onde estava sendo realizado a feira, para a retirada do kit e do chip!
Lá dentro, ganhamos um "convite" para ir à loja de artigos esportivos Paragon, que estava oferecendo condução e lanche grátis na loja! Opa! Almoço de graça! Vamos lá! Rsrs.

Paragon Sports (34th to Broadway)
Lanche da Paragon
Depois, fomos bater perna e vimos muita gente vestida de forma estranha nas ruas! Pensei que o povo era assim mesmo! Depois é que me toquei que era "Halloween Day" (Dia das Bruxas)! Rsrs. Olha só!


A CORRIDA DA AMIZADE E O JANTAR DE MASSAS (1º DE NOVEMBRO)
A véspera da maratona é um dia muito divertido! Logo pela manhã, às 7 horas, participamos da "Corrida da Amizade", onde se faz troca de camisetas, bonés, gorros e tudo mais com pessoas de diversas nacionalidades! Por recomendação da Turismo Kamel e também do Valter Ide que já participou 2 vezes desta maratona, levei algumas camisetas que tinha para trocar. Mas, a primeira peça que me pediram, foi uma bandana verde-amarela que estava usando na cabeça. Um holandês me pediu para trocar com um gorro laranja de lã, que nem sei quando vou usar! E nesta corrida, eu encontrei a Yara e a Giovanna! Olhem só os brasileiros!


Eu, Giovanna e Yara

Encontrei também os japoneses! Conversei um tempão com eles! Rsrs. São muito divertidos! São mais kitigais do que vocês possam imaginar!
E sabem que eu encontrei lá no meio dos japoneses? A "cabeça de Monte Fuji"! Kkkk. Mal sabe ela que falei sobre ela numa das postagens! Rsrsrs. Pedi para ela posar de costas para mim! Rsrs.

E à tarde, lá pelas 16:30, acontece o jantar de massas no restaurante "Tavern on the Green", no Central Park, que é realmente muito bom, com massas à vontade, Gatorade, até chocolate que eu não posso comer, tinha! Mas, tivemos que enfrentar uma enorme fila! O melhor da fila foi encontrar diversão pelo caminho. Um senhor fez um "chapéu" de bexiga para a Yara, dizendo: "Ow, Brézil!".
Um outro, estava sentado em uma barraca onde se lia um recado escrito em várias línguas que dizia:

O local é muito bonito! Vale a pena conhecer! Em dias normais, dizem que é um restaurante muito caro! Portanto, vamos lá dar uma espiada de fininho, pois só neste dia é que nós, os pobres mortais, podemos comer lá!

The Tavern on the Green
Leonardo (marido da Giovanna), Giovanna, Yara Achôa, eu e Ciro (meu marido)

Depois do jantar, lá fora, no parque, estava acontecendo um show de... não sei quem estava cantando, mas estava acontecendo um show! Rsrsrs. E lá pelas 19:30, fogos de artifício anunciam o final do jantar, pois no dia seguinte, temos que acordar às 4:00 para embarcar no ônibus às 4:30 e ir para a concentração da maratona! Vamos conferir a vestimenta para o dia "D"!

O chip
O número de peito
Os acessórios
A vestimenta

O DIA DA MARATONA (2 de novembro)
Como o horário de verão terminava neste dia, ganhamos 1 hora a mais para dormir. E com um fuso de 3 horas de diferença com o horário do Brasil, eu acordei às 4:00 mas foi como se estivesse despertando às 7:00 no Brasil. Fomos com o pessoal que estava hospedado no mesmo hotel para a fila do ônibus que nos levaria à concentração. Ele levou 40 minutos para chegar ao local e eu fiquei pensando: poxa, vou ter que voltar tudo isso correndo! Rsrsrs.
Fui conversando com o Eloi que conheci no hotel e que é colega de profissão da Yara (jornalista), e sua esposa Vera.
Da esquerda para direita: Vera, Eloi, Yara, Mayumi e Ciro
A única coisa que não gostei foi da espera por mais de 5 horas naquela concentração gelada de 5 graus, com um vento cortante! Ainda bem que a organização é impecável e tinha construído várias tendas para nos abrigarmos. Não fosse o calor humano, teria morrido congelada! Fiquei na concentração junto com a Denise Amaral da Kamel, que ia correr a sua 67ª maratona (pasmem!), a Iracema de Curitiba, o Rodrigo do Rio de Janeiro... levei uma toalha e um plástico como recomendado pelo Valter Ide. Porém, o local estava tão cheio que, mal eu estendi a toalha, um homem veio e sentou em cima, deixando somente uma parte da toalha para eu sentar. Quando fui deitar, as minhas costas bateram nas costas dele, que nem sei de onde era. Pedi educadamente para ele sair de cima da minha toalha, mas... ou o meu inglês estava muito ruim, ou ele fez que não entendeu! E nada dele sair de cima da minha toalha! Ow, shit! Kkkk. Mas, um mineiro de Uberaba que estava conosco, o Rodnilson, foi mais esperto: fez o favor de puxar a minha toalha com tudo, deixando o cara sentado na grama! Rsrsrs. Este cara é uma figura! Começou a arrotar dizendo que antes da prova, nós temos que soltar todos os gases do corpo para correr bem. Eu puxei papo com ele:
- Você é de Uberaba, será que você não conheceu uma escola de inglês chamada "Point One"? Era da minha professora de inglês, ela se chama Maíza Faturetto, e veio morar em São Paulo!
- Point One? Eu estudei lá! Quando você encontrar a Maíza, diga que mandei lembranças! Diga que é o Rodnilson, aquele que... passou mal... e desmaiou na aula dela...
Daí ele começou a chorar! Eu disse:
- Menino! O que é isso!!! Até agora há pouco, você estava arrotando e dizendo que tinha que soltar os gases todos, agora está chorando???
- É que, naquele dia que desmaiei, descobri que estava com câncer no intestino! Mas, fiz duas cirurgias espirituais e fui curado! Eu me emociono quando falo disso...
É, gente, histórias e mais histórias de superação! E este menino, terminou a maratona com o tempo de 03:31:00!
Fui colocar as minhas coisas no caminhão guarda-volumes da UPS. As orientações para tal procedimento são bem claras e anunciadas em inglês, espanhol, francês, japonês... só não entende quem não quer! E falam o tempo todo, pois é uma gravação que fica rodando!
Os caminhões guarda-volumes da UPS
A LARGADA
Diferentemente dos anos anteriores, este ano, a largada se deu em 3 ondas: às 9:40, às 10:00 e às 10:20. E cada onda tinha 3 locais distintos de largada, dividida em cores. E em cada cor, havia 6 baias por tempo (A a F). Ou seja, em todas as ondas e locais, teriam pessoas com tempos diferentes, desde os mais rápidos até os mais lentos. Eu larguei na terceira onda, às 10:20, no local de cor azul, que atravessaria a Ponte Verrazano por cima, e na baia de letra F (F de fundão!). As baias são chamadas de "corral". Veio um cara e me perguntou de que "curral" eu era! Rsrsrs. Eu tinha colocado na inscrição (que foi em março deste ano) que terminaria a maratona em 05:30. E daí, fui parar lá atrás, e ainda por cima, na última onda! Rsrsrs.
Caminhamos um pedaço até chegar ao local da largada. Foi muito emocionante passar pelo pórtico de largada, atravessar a Ponte Verrazano ao som de "New York, New York", tendo ao lado esquerdo a Baía de Nova Iorque, e ao lado direito, o imponente Oceano Atlântico!

O PERCURSO
O povo é maravilhoso! Imaginem vocês que, ao término da Ponte Verrazano, quando entramos em Brooklin, os moradores nos esperavam com uma placa na mão dizendo: "Welcome to Brooklin, EUA!" e gritavam "GO, BRÉZIL, GO!!!"
No percurso todo tinha torcida, até em português! Um pouco antes da 1ª Avenida, havia uma brasileira que gritou: "VAI, BRASIL!". Mas, havia também, torcida em outras línguas que eu não conseguia entender! Havia algumas pessoas que traziam uma placa escrita assim: "PUTAIN OUIA!" . Eu fiquei olhando a placa e eles gritaram: "GO, BRÉZIL, GO!" . Rsrsrs. Podem torcer, mas não me mandem para aquele lugar, pô! Rsrs.
Tinha até torcida em japonês! "GAMBATTEEEEE!". É muito bom! Agora, entrando na 1ª Avenida, você se sente uma atleta de elite! Aquele mundo de gente nos dois lados da rua, gritando o tempo todo, oferecendo bananas, doces, tudo quanto é coisa e gritando "GO, YOU CAN DO IT! GO, BRÉZIL! GO!". Sem falar que a partir da 3ª milha (km 4,8), a cada milha (1,6 km) havia um posto de hidratação com água e Gatorade "Endurance Formula". E na milha 18 (km 28,8), Power Gel à vontade! E a cada posto, uma torcida enorme do staff! Você não tem como desistir da prova!
Avistei o Empire State Building! Ah, já estou chegando! Rsrsrs. Doce ilusão! Mas, tudo bem, vamos lá, pois uma hora chega! Rs. Poxa, e não é que cheguei ao Central Park! Olhei para o cronômetro e vi que tinha chegado até lá em 04:06! Agora, eu poderia até andar o resto do percurso, que eu chegaria no tempo previsto em março: 05:30! Comecei a acreditar que eu poderia terminar a maratona em menos de 5 horas. Continuei a correr no meu rítmo, sem pressa, mas sem desistir de correr também! Vi muitos se arrastarem, muitos com cãibras. Mas, por incrível que pareça, as minhas pernas ainda estavam inteiras! Começava a bater o cansaço, mas nada muito estressante! Eu ouvi uma brasileira gritando: "FORÇA, BRASIL, FORÇA!". Isto me deu mais gás para continuar a correr!

A CHEGADA
Dentro do Central Park, resolvi não pensar mais na canseira! Resolvi admirar a paisagem! Que lindo aquele parque! Tudo era muito maravilhoso! Um americano pendurou uma placa dizendo: "I can see the finish line from my backyard!" (Eu posso avistar a linha de chegada do meu quintal!). E todos gritam o tempo todo: "YOU CAN DO IT! IT'S ALMOST THERE!" (Você consegue! É logo aí!").
E na arquibancada VIP, bem na reta final, havia um grupo de brasileiros com bandeira e tudo gritando: "VAI BRASIL! VAI!" Corri leve e solta até a linha de chegada! E decidi que ia chegar bem no meio do pórtico do meio, levantar e abrir os meus braços para uma foto legal! Não vi esta foto ainda, mas prometo procurar! Rsrs. Depois de passar pelo pórtico, você recebe a medalha e vai seguindo a multidão! Há vários fotógrafos para te fotografarem com a medalha e depois, você recebe uma manta térmica de alumínio! A multidão segue, e você acompanha o fluxo até os caminhões que carregam os seus pertences. É só você ir ao caminhão correspondente ao seu número de peito que a sua sacola é entregue em segundos!
Depois, você passa por um local para entregar o seu chip. Eu inventei de prender o chip no cadarço do tênis! Após fazer um sacrifício para retirar o chip sem dobrar os joelhos, pois estavam duros, descobri que tinha um local que era só colocar o seu pé lá que alguém tiraria para você! Rsrs.
Saí andando com a manta, até Columbus Circle (mais ou menos 1 km), onde tinha marcado de me encontrar com meu marido entre 16:00 e 16:30. Porém, ele não estava lá! Esperei por uns 20 minutos, mas como ele não apareceu, peguei o metrô (que é de graça para os maratonistas) e fui para o hotel. Chegando lá, vi que ele não havia chegado ainda! Esperei por mais 30 minutos na porta do quarto, quando resolvi interfonar para a recepção do hotel pelo aparelho que havia no corredor, e pedir uma outra chave para abrir a porta:
Eu: "Excuse me! I have a problem!"
Recepção: " May I help you?"
Eu pensei: "The shit doesn't go!" (Vide postagem anterior). Rsrsrs. Mas continuei séria!
Eu: I came back from the marathon, but my husband isn't here in the room. So, I need another key to open the door! Can you provide me?"
Recepção: "Ok, I will provide you another key!"
Eu: Thank you!
Recepção: You're welcome!
Quando desliguei o interfone, eis que o meu marido surge no corredor! Poxa, depois de todo este esforço para pedir outra chave! Rsrsrs.
Eu: Aonde você foi? Fiquei esperando você lá no lugar que combinamos!
Ele: Eu cheguei lá na viradinha do Central Park, onde tinha um telão e fiquei esperando você surgir lá para tirar uma foto. Como você disse que ia fazer em mais de 5 horas, fiquei esperando. Mas depois de quase uma hora, vi que você não passava e pensei que você tinha desistido! Daí, fui ao local que tínhamos combinado, mas você não estava lá! Então, eu vim embora. Em quanto tempo você fez?
Eu: Em 04:42 e pouco, acho, tenho que conferir. Eu nem imaginava que ia terminar tão depressa assim!
Ele: É mesmo? Então, quando eu fui lá na esquina do telão, você já tinha passado! Rsrs. Parabéns!
Pois é... Acho que é só vendo o tempo oficial escrito no The New York Times para acreditar! O jornal só traz os nomes das pessoas que terminam em até 5:00:59.
Por falar nisso, o meu tempo na maratona foi 04:42:33. Para quem estava planejando terminar em até 05:30 no início do ano, acho que este tempo está mais do que bom, não é mesmo? Acharam um link que traz o meu pace:
http://athletetracker.ingnycmarathon.org/pace/index.php?start_no=42958
Querem ver a medalha?


O DIA SEGUINTE
Segunda-feira é dia de todo mundo andar nas ruas com a medalha pendurada no pescoço! Aqui no Brasil, isto seria um tanto quanto ridículo, mas lá, ao mostrar a medalha, ganha-se descontos em lojas, entrada grátis em museus, etc.
Mas, antes de mais nada, é dia para ir à Marathon Store (uma lojinha pós-maratona) realizada dentro do Central Park, para gravar o seu nome e seu tempo no verso da medalha. Nesta feira, há também camisetas, bonés, pins, blusões, moletons, tudo com a inscrição "finisher". Há um telão exibindo a maratona!
A lojinha da maratona, no dia seguinte

A fila para entrar na lojinha
Nós fomos lá. No caminho, encontramos o Osmar, o rapaz de Brasília que viajou conosco para a maratona. Perguntamos como ele estava e ele respondeu: "Estou como uma noiva no dia seguinte à noite de núpcias! Todo dolorido mas feliz da vida!". Kkk. A Yara, minha vizinha jornalista, neste dia, foi convidada para entrevistar os vencedores da maratona e foi se encontrar com os famosos! Se quiserem dar uma olhada neles "de perto", acessem o blog da nossa amiga Yara! Parabéns, menina, estamos esperando ansiosamente pela publicação de sua reportagem!
Por falar em vencedor, olha ele no cartaz de divulgação da maratona!
Aqui vai uma nota muito triste: o atleta José Carlos Gomes (Sul América ING-BR), ao cruzar a linha de chegada com o tempo de 04:12:15, sentiu-se mal e foi carregado a um hospital de Manhattan, mas acabou falecendo. Não se sabe ainda o que aconteceu... Embora ele estivesse hospedado no mesmo hotel, acho que não cheguei a conhecê-lo.
Olha, gente, não é porque até a Mayumi consegue cruzar a linha de chegada que qualquer pessoa pode fazê-lo sem checar a saúde ou sem treino adequado! Se quiserem participar de uma maratona, vamos treinar e tomar o máximo de cuidado, principalmente com o coração! Pode ser que este tenha sido um caso isolado, mas nunca se sabe!

A CIDADE DE NOVA IORQUE
Como não é sempre que podemos voltar para lá, depois da maratona, é hora de conhecer um pouco da cidade. Eu nunca tinha estado por lá, a não ser de passagem (em trânsito, dentro do aeroporto). Portanto, compartilho agora, um pouco da cidade que vi. Aos que conhecem, pode não ser muito interessante.
E ainda bem que o treinador (Arthur) acertou na dose de treinamento: pude andar para cima e para baixo, sem sentir dores!
As pessoas que andam pelas ruas de Nova Iorque falam várias línguas. Eu ouvi muito espanhol e também japonês! E acreditem, a maior delegação na maratona, depois dos americanos (é lógico), era de franceses! Mais de 7.000 franceses participaram desta maratona!
Como eu não entendo muito bem o inglês quando falado rápido demais, ficava tentando adivinhar o que diziam os ambulantes na rua. Tinha um senhor vendendo um ingresso de teatro (já que estávamos na Broadway, local onde se encontram muitos teatros), que dizia "Deliromermei! Deliromermei!". ??? Fiquei olhando para ele tentando entendê-lo e ele olhava para mim tentando vender o ingresso não sei do quê. O meu marido puxou-me pelo braço dizendo: "Vem, você não vai querer assistir "A Pequena Sereia", né?" Ah, "The Little Mermaid"!!! Kkkk.
Na quarta-feira, dia de vir embora, estávamos olhando uma vitrine, quando um rapaz se aproximou de mim e disse não sei o que. Eu só entendi as últimas palavras que eram: "free breakfast". Oba! Café da manhã de graça! Mas, e o resto? O meu marido teve que traduzir! Rsrs. Era para eu fazer parte do auditório de um programa de TV que se chama "The Morning Show", e se eu aceitasse, eu ganharia um café da manhã! Acho que tenho cara de macaca de auditório! Rsrsrs. Eu estava quase aceitando, não pelo programa, mas pelo café da manhã de graça! Kkk.
Bem, então vamos a algumas fotos!

Um esqueleto de dinossauro no Museu de História Natural
(81th to Central Park West)

Columbus Circle
(59th to Broadway)
Uma boneca de cera no "Ripley's" Believe it or not! (Broadway). Foi o meu marido que tirou a foto! Será que ele queria me comparar com a boneca? Rsrsrs. Só faltava dizer que ela se parece comigo! Kkk.
Edifício Dakota, onde residiam John Lennon e Yoko Ono
(ao lado do Central Park)
Observação: nestes prédios nos arredores do Central Park, somente podem habitar pessoas que tenham aprovação prévia dos moradores. Ficamos sabendo que o Antonio Banderas e a Madonna não foram aprovados para morarem lá! O aluguel é de aproximadamente US$15.000,00 por mês!!!
E dentro do Central Park... Imagine! (John Lennon)
Este é o local onde Michael Jackson gravou "Thriller"

O teatro onde David Letterman grava o "Late Show"
(Broadway)

The Wall Street, famosa pela bolsa de valores

O símbolo da bolsa em alta: "The Bull Market"

E o urso? Não o encontrei na maratona. A não ser este:

"The Bear Market"? Rsrsrs. A bolsa de valores em baixa?

The Empire State Building
(34th to 5th)
O povo americano no Times Square, vendo o telão de votação para a presidência!
A cada vitória do Obama, gritavam!

Uma rua em homenagem aos brasileiros
E a Estátua da Liberdade!

AGRADECIMENTOS
Deixo aqui os meus sinceros agradecimentos aos amigos e familiares, principalmente ao Arthur (treinador) cujas orientações técnicas se mostraram corretas em função do resultado obtido.

Patrocínio:
Agradeço ao Turismo Kamel que me premiou com a passagem de ida e volta. Isto alavancou o meu treino e a minha participação nesta maratona. Muito obrigada pelo incentivo! Olhem só isto:



Muito obrigada por tudo!